O chato e os outros vizinhos

Naquela rua a pressão imposta pela cidade grande, mídia e tecnologia, facilita a que os vizinhos se distanciem uns dos outros: não se conhecem e não convivem como antes. Assim mesmo se observam e avaliam. Pela casa, roupas e automóvel, imaginam o poder aquisitivo. Pelo vocabulário e opiniões, deduzem o nível de cultura e erudição. Pelas ações e reações, concluem quem é participativo, solidário, simpático, educado, tolerante, humilde, vaidoso, discreto; e quem é impertinente, intolerante, intrometido, obtuso, mentiroso… Continue lendo “O chato e os outros vizinhos”

O antipático

Desde os dezenove anos de idade faço serviços voluntários ininterruptamente. São trinta anos. Comecei atendendo solitários, depressivos e suicidas, depois, enfermos, idosos e abandonados; neste contexto, também tenho sido formador de outros que virão a fazer os mesmos serviços ou que já fazem e buscam se aprimorar. Continue lendo “O antipático”

Eles

Quem são ‘eles’? São pessoas ou instituições das quais falamos, geralmente, em tom crítico, nem sempre com tanta ou toda a razão que cremos ter: qualquer um que, num dado momento, seja considerado merecedor da nossa insatisfação, discordância, reivindicação, revolta, fofoca, maledicência e intriga. Às vezes, ‘eles’ são os destinatários dos nossos comentários elogiosos. Continue lendo “Eles”

Redes sociais virtuais e reais

Sou ainda tosco aprendiz de usuário das redes sociais. Preciso prosseguir melhorando, afinal, incluí às responsabilidades uma web rádio (radioplena.com.br), com programas ao vivo, inclusive, e as redes sociais são absolutamente fundamentais para disseminar esta novidade que uniu o rádio e a rede mundial de computadores.

Quando alcançar um patamar razoável de compreensão e uso das redes sociais – se bem que o dinamismo delas sempre exigirá aprender – espero confirmar o que penso hoje: tal como se dá com a televisão, o rádio e a internet como um todo, nas redes sociais há muita futilidade, mentira, distorção, ignorância etc. E há incontáveis e maravilhosas oportunidades de aprendizagem, diversão, interação etc. Continue lendo “Redes sociais virtuais e reais”

O ‘equivocário’ popular e a política

Entendidos dizem que a mentira é base da política. Da política de partido ou de vida?

Conheci dúzias de criaturas famosas, endinheiradas e poderosas que foram ou são chamadas de excelências, embora não passem de excrescências. As criaturas que transitam ao redor dos eleitos ou pretendentes costumam ser farinha suja do mesmo saco. Eleitos e reeleitos nas últimas eleições, repetitivos e enganosos, depois, mudaram de vinho para a água, ou, dizendo de outro modo, pararam de fazer de conta, num recesso que só será substituído por outra encenação na próxima campanha eleitoral da qual participarão como candidatos; ou, como vassalos e pelegos de outrem. Tudo tão previsível quanto o sal na água do mar. Não por acaso este país ainda não é nação e não desenvolve a contento, não cresce, cresce pouco ou decresce: vítima de governantes e legisladores medíocres, preguiçosos ou desonestos. E não somente deles… Continue lendo “O ‘equivocário’ popular e a política”

Programa Atitudes Sustentáveis

Gro Brundtland, ex-Primeira Ministra da Noruega, em 1987 definiu pela primeira vez o termo desenvolvimento sustentável, da seguinte forma: “Desenvolvimento sustentável significa suprir as necessidades do presente sem afetar a habilidade das gerações futuras de suprirem as próprias necessidades”.

Baseado nesta definição elaborou-se o PAS – Programa Atitudes Sustentáveis, o qual tem como objetivo atender/orientar/entusiasmar/habituar as empresas, condomínios, igrejas e residências na busca da sustentabilidade, conscientemente, e não apenas por mera obrigação subordinada ou por interesse em lucrar financeiramente a partir da imerecida e inexistente imagem de pessoa ou instituição preocupada com a  vida do planeta e as vidas que ele abriga. Continue lendo “Programa Atitudes Sustentáveis”

Entre Ano Novo e Natal!

Se entre Natal e Ano Novo você sentiu tristeza e preocupação por permanecer com dívidas e contas que quer honrar, mas provavelmente não terá como quitar nas datas de vencimento; se teve projetos frustrados e permanecem incertezas se conseguirá viabilizar esses e outros; se você ou pessoa amada está com enfermidade grave; se ente querido faleceu; se teve desavença com alguém próximo ou estranho; se deu palpites na vida alheia e se irritou com os dos outros na sua; se falou de pessoas pelas costas o que não lhes diria à frente; se falou em tom professoral sobre assuntos dos quais sabe pouco ou nada; se reclamou, sugeriu e exigiu de agentes e instituições o que lhes cabe fazer, mas não fez a parte que lhe cabe enquanto partícipe da coletividade; você não está só: milhões de pessoas passaram por essas e outras situações medíocres. Continue lendo “Entre Ano Novo e Natal!”

Mesmice ou oportunidade?

A pior crise a prejudicar alguém é a da mesmice!

Política partidária, serviço público, economia, mídia, religião, sustentabilidade, mercado de trabalho e outras grandes atividades ou temas – cheios de gente que os realiza com populismo, demagogia, massificação, alienação, hipocrisia, obtusidade – contribuem para que o Brasil permaneça injusto e medíocre em infraestrutura, saúde, segurança e, antes, educação, estando na rabeira de diversos indicadores internacionais. Isto explica e justifica crises políticas e econômicas? É mesmice ou oportunidade? Continue lendo “Mesmice ou oportunidade?”